Metodologias ativas de aprendizagem: como elas podem ajudar os estudantes

Metodologias ativas de aprendizagem: como elas podem ajudar os estudantes

22 de outubro de 2021

Entenda o que são e como as metodologias ativas podem ser utilizadas para favorecer a aprendizagem ativa em todas as disciplinas

***

Metodologias ativas de aprendizagem são propostas pedagógicas pensadas intencionalmente para incentivar os estudantes a pensarem de forma autônoma e mais participativa, e o tema que está entre os mais pesquisados pelos educadores nos últimos meses.

Colocar esse conceito em prática, porém, ainda é um desafio para a maioria dos educadores. Em partes, isso está relacionado ao fato de que a formação tradicional que a maioria dos professores recebeu é bastante diferente das práticas possibilitadas pelas metodologias ativas, tornando sua aplicação distante do dia a dia escolar.

Longe de ser um modismo, as metodologias ativas não são recentes na educação e remontam a estudos preconizados de teóricos renomados, como Jean Piaget, Lev Vygotsky e Paulo Freire, por exemplo, que propunham uma educação com base em experiências e que levasse em conta o conhecimento prévio dos alunos. 

Na prática, as metodologias ativas visam criar um percurso metodológico que garanta mais protagonismo dos alunos, como explica o livro Metodologias ativas para uma educação inovadora: Uma Abordagem Teórico-Prática, organizado por Lilian Bacich e José Moran e considerado uma referência nacional sobre o tema:

“Aprendemos ativamente desde que nascemos e ao longo da vida, em processos de design aberto, enfrentando desafios complexos, combinando trilhas flexíveis e semiestruturadas, em todos os campos (pessoal, profissional, social) que ampliam nossa percepção, conhecimento e competências para escolhas mais libertadoras e realizadoras. A vida é um processo de aprendizagem ativa, de enfrentamento de desafios cada vez mais complexos […]”.

Ainda de acordo com a publicação, as metodologias predominantes no ensino são as dedutivas, ou seja, o professor transmite primeiro a teoria e depois o aluno deve aplicá-la a situações mais específicas. Contudo, destacam os autores, “o que constatamos, cada vez mais, é que a aprendizagem por meio da transmissão é importante, mas a aprendizagem por questionamento e experimentação é mais relevante para uma compreensão ampla e profunda”.

Modelos e benefícios das metodologias ativas

Ainda de acordo com a publicação, são muitos os modelos de ensino associados às metodologias ativas com potencial de levar os alunos a aprendizagens por meio da experiência, impulsionando o desenvolvimento da autonomia, da aprendizagem e do protagonismo. 

Nesse sentido, o livro organizado por Lilian Bacich e José Moran cita como exemplos algumas metodologias ativas, como: 

  • Aprendizagem baseada em problemas: Essa metodologia é voltada para a aquisição do conhecimento por meio da resolução de situações propostas dentro do contexto de aula para unir teoria e prática. Em geral,  acontece dentro de um período específico e busca problemáticas internas e externas à escola que podem ser solucionadas ou revisadas com a atuação da comunidade escolar.
  • Sala de aula invertida: Parte da proposta de inverter a dinâmica tradicional de aulas expositivas para um cenário no qual os alunos usam o tempo em sala para praticar e interagir com professores e colegas, deixando o aprofundamento teórico para momentos externos à escola, usando recursos digitais.
  • Sala de aula compartilhada: Metodologia ativa que propõe agrupar alunos de diferentes turmas e etapas com base em um projeto interdisciplinar, que possa favorecer a aprendizagem em grupo.
  • Contextualização da aprendizagem: Abordagem de construção e resolução de problemas significativos a partir do contexto e dos fenômenos vividos por alunos e professores. A metodologia desenvolve o engajamento e a formação de professores-autores por meio de estratégia.
  • Criação de jogos e programação: A programação de aplicativos, jogos, sites e outros recursos digitais também é uma metodologia ativa e pode ser inserida no planejamento como um caminho para atrair os estudantes para uma temática. Hoje são muitos os recursos on-line e gratuitos que permitem professores e alunos adentrarem no tema mesmo sem conhecimentos prévios.
  • Ensino híbrido: Integra tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem para permitir aos professores analisarem o desenvolvimento do aluno e propor atividades intencionalmente pensadas para personalizar as aulas, tendo o aluno como centro de sua atuação.
  • Design thinking: Com uma abordagem estruturada, essa metodologia utiliza uma sistemática da área do design, que tem como objetivo gerar e aprimorar ideias, facilitando o processo de solução dos desafios cotidianos com criatividade e de forma colaborativa.

Em artigo no site da Nova Escola, a educadora Débora Garofalo também destaca alguns desses modelos e afirma que “são muitos os benefícios ao trazer as metodologias ativas para dentro da sala de aula”. No texto, a autora destaca especialmente “a transformação na forma de conceber o aprendizado, ao proporcionar que o aluno pense de maneira diferente”, e ressalta também que:

“É importante investir em conteúdos atrativos e interativos, sendo essencial ter esse olhar para aprimorar os procedimentos utilizados para envolver os alunos na aprendizagem”.

As metodologias ativas e a BNCC

Embora não apareçam nominalmente na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), as metodologias ativas estão caracterizadas em diversos momentos da proposta, especialmente nas 10 competências gerais, que convidam os educadores a repensar os percursos metodológicos tradicionais, inserindo aspectos como argumentação ou pensamento científico, crítico e criativo, por exemplo. 

Nesse sentido, a proposta é que o conhecimento seja construído com o aluno, considerando sua experiência prévia. Segundo Thauane Rocha, pedagoga e consultora do programa LIV:

“É importante pensar no processo de aprendizagem não apenas como um meio de consumir informações, ou seja, apenas pela transmissão de conteúdos acadêmicos, mas levando em consideração os conhecimentos prévios dos alunos, validando as diferenças e vivências para introduzi-los como participantes ativos desse processo. Essa dinâmica possibilita a realização de analogias do conteúdo às realidades, e a matéria passa a fazer sentido não sendo apenas informações soltas que exigem memorização. Para pôr em prática essa pedagogia engajada, se faz necessário a construção de um espaço de escuta e acolhimento, para que esse sujeito se sinta ativo no processo de aprendizagem”.

Partindo desse conceito, as metodologias ativas são o meio para atrair mais os alunos para as aulas. Não significa, é claro, que o professor nunca mais fará aulas expositivas ou trabalhos individuais. O objetivo é usar essas metodologias para poder variar as experiências de aprendizagem.

As metodologias ativas no ensino remoto

Impossível falar sobre as metodologias ativas sem refletir sobre a inserção das tecnologias digitais nas escolas, pois mesmo antes de o ensino remoto estar difundido, elas já preconizavam a inserção de tecnologias digitais como aliadas da educação. 

Como sabemos, apenas inserir a tecnologia nas escolas não é suficiente. É preciso dar significado. Nessa perspectiva, a proposta é usar os dispositivos digitais com intencionalidade para o desenvolvimento integral do aluno. No caso do ensino híbrido, que é um exemplo de metodologia ativa, a tecnologia é inserida para ajudar o professor a identificar as necessidades de cada aluno e personalizar os conteúdos de acordo com essas necessidades.

Afinal, fazer aulas significativas para estudantes que nasceram na cultura digital exige refletir sobre expectativas em relação ao ensino, à aprendizagem e ao próprio desenvolvimento. Algo muito diferente do que expressavam as gerações anteriores. 

Por isso, as aulas que envolvem metodologias ativas visam gerar uma provocação no aluno, impulsionando-o à ação – algo que uma aula expositiva sozinha dificilmente poderia fazer. O objetivo é que a ação possa gerar no aluno momentos de reflexão e questionamento, provocando aos poucos a construção de um determinado conceito.

Metodologias ativas e aprendizado socioemocional

Embora o tema das metodologias ativas seja bem mais amplo do que tratamos nesta publicação, queremos trazer com ele uma importante reflexão sobre a necessidade de mais autonomia e protagonismo dos estudantes no processo de aprendizado, algo já apontado pelos principais teóricos da educação ao longo dos anos.

Ao usar as metodologias ativas, mais do que “estar na moda”, os educadores estão possibilitando aos alunos utilizar novos recursos de aprendizagem enquanto desenvolvem o protagonismo e outras habilidades socioemocionais. Quando propomos uma educação integral, que tenha o aluno no centro da aprendizagem – independentemente da disciplina – essa abordagem se faz essencial.

***

Quer aprender mais sobre conceitos e saber outras novidades da educação? Assine a newsletter do programa LIV e receba semanalmente conteúdo de qualidade direto no seu e-mail! Confira a seguir outras publicações exclusivas:

***

O LIV – Laboratório Inteligência de Vida é o programa de educação socioemocional presente em escolas em todo o Brasil, criando espaços de fala e escuta para ampliar a compreensão de si, do outro e do mundo.

 

Assine nossa news

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *