O corpo: quais histórias nosso corpo tem contado?

Por Bianca Pinnola, Assessora pedagógica do LIV

Recentemente, eu estava mexendo no celular enquanto andava pela rua – ato costumeiro em minha rotina apressada. Eu caminhava em direção à escola onde eu trabalhava. A aula das crianças ia começar em poucos minutos e, antes de chegar ao meu destino, eu queria conferir as publicações imperdíveis que se apresentavam nas redes sociais. Eis que, de repente, surgiu uma pedra no meu caminho – literalmente. O celular havia bloqueado a minha visão e a pedra foi uma surpresa. O resultado? Tropecei e caí no chão. Ou melhor: tropecei, caí no chão e ralei meu joelho. Nesse momento, três coisas passaram imediatamente na minha cabeça:

 

  1. Espero que nenhum conhecido tenha visto esse tombo
  2. Ralar o joelho dói*
  3. Meus alunos vão amar meu joelho ralado

 

Levantei com o joelho sangrando e, como se carregasse um troféu, segui em direção ao meu trabalho (dessa vez, com o celular guardado na mochila). Não sei como explicar a sensação de poder apresentar, pela primeira vez em anos, um joelho ralado a meus alunos. Eram sempre eles que vinham me mostrar o deles.

 

Apesar da ardência e da minha aflição ao imaginar a quantidade de bactérias no meu joelho, para mim, aquele era um momento especial. Especial porque eu podia contar uma história de aventura para os pequenos, imaginem: As aventuras da distração contra a inimiga pedra. Especial porque, finalmente, minhas cicatrizes do joelho ganhariam uma nova amiga. E, especial porque lembrei das peripécias que me faziam ralar o joelho na infância.

 

Ao chegar na sala, todas as crianças se reuniram para ver meu machucado. Depois, todo mundo compartilhou as histórias dos seus joelhos. Qual é a história do seu?

 

*Ralar o joelho dói – Você já percebeu como é comum falarmos para uma criança “não doeu!” e “já passou!” quando ela se machuca? Mudei meu discurso depois de lembrar que dói sim e que não passa instantaneamente. Atualmente, com mais empatia, digo “eu sei que seu machucado está doendo, vamos cuidar dele”.