Como unir escola e família: um relato do Colégio Saint John

30 de outubro de 2018

A relação entre escola e família costuma ser um desafio para muitos educadores, pais e responsáveis. Contudo, apesar dos entraves comuns, muitas escolas conseguem encontrar caminhos promissores para atrair as famílias. É o caso do Colégio Saint John, escola bilíngue do Rio de Janeiro, e que desde 2017 conta com a parceria do LIV – Laboratório Inteligência de Vida nessa missão.

Este ano, durante o Congresso do Socioemocional LIV 2018, a diretora pedagógica Denise Ferreira e o professor de História do ensino fundamental Rodrigo Gil palestraram para o público do evento para contar mais sobre essa parceria e como ela contribuiu para fortalecer a relação com os pais de seus alunos. E você pode conferir o vídeo dessa apresentação completa ao final deste post!

Inteligência emocional como elo entre escola e família

Para colocar em prática uma educação integral e expandir a relação com as famílias, o desenvolvimento da inteligência socioemocional aliada ao trabalho com as disciplinas tradicionais é o mais recomendado. No Colégio Saint John, esse tema entrou como um dos pilares da escola, tratado com a mesma importância dada ao ensino bilíngue e à diversificação das matérias eletivas, que embasam o trabalho com crianças e adolescentes.

Nesse sentido, o LIV é utilizado desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, etapas de ensino em que eles desenvolvem consciência da sua inteligência emocional e passam a ser estimulados para desenvolver suas habilidades socioemocionais, como criatividade, comunicação e proatividade, dentre outras.

Percebendo a importância da compreensão dos sentimentos e das habilidades para firmar diálogos e preparar seus alunos para enfrentar os problemas da vida no século XXI, o Colégio Saint John desenvolveu atividades complementares que pudessem auxiliar nesse processo de construção e entendimento do indivíduo. Confira alguns exemplos:

  1. Caixa dos sentimentos

Segundo relato de da diretora Denise Ferreira, essa proposta foi desenvolvida para falar sobre sentimento com o próprio corpo docente da escola. Trata-se de uma caixa com um bloco de anotações dentro. Esses papéis são usados para guardar acontecimentos pontuais que os professores julguem interessantes de relatar. Cada acontecimento deve vir acompanhado da descrição do sentimento do momento. Esses bilhetinhos escritos servem também para fazer, posteriormente, uma avaliação do ano letivo.

  1. Gostaria que meus pais soubessem que…

Já em relação a importância da família na escola, baseado em uma das aulas do material do LIV para primeiro semestre do 7º ano, o professor Rodrigo Gil promoveu uma atividade com os pais e filhos juntos na escola. A atividade do livro consistia nos filhos responderem, anonimamente, o que eles gostariam que seus pais soubessem, mas muitas vezes têm vergonha, medo ou algum outro sentimento de privação que não os deixa falar. Tendo isso em vista, Rodrigo Gil fez o mesmo com os pais. Solicitou que eles escrevessem algo que gostariam que seus filhos soubessem, mas nunca falaram diretamente.

O resultado desse trabalho você pode conferir no vídeo completo a seguir!

Assine nossa news

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *