Uma conversa com Ailton Krenak sobre o tempo e a educação

22 de setembro de 2020

Por vezes, as palavras educação e futuro parecem inseparáveis, e não raro escutamos sobre como a educação prepara para o futuro, ou que a educação do futuro chegou. Mas o que é esse futuro, afinal? Esse lugar tão seleto e disputado que solicita uma formação adequada enquanto exclui quem não se encaixa no padrão? Que lugar é esse tão ambíguo, onde mora a salvação e, ao mesmo tempo, o “fim do mundo”? Será que a corrida para o futuro não tem ignorado completamente o passado? E o que a educação tem a ver com tudo isso?

Para o pensador, escritor e ativista do movimento socioambiental e dos direitos indígenas, Ailton Krenak, essas perguntas são complexas e englobam temas como infância, ancestralidade dos povos e os conceitos de passado e futuro desenhados pelas sociedades modernas. Durante uma conversa exclusiva no 2º Congresso LIV Virtual, conduzida pela psicóloga e coordenadora pedagógica do LIV, Renata Ishida, o autor falou sobre esses temas e explicou por que, em sua visão, a educação deveria se preocupar mais com o presente do que com o futuro.

Além dessa apresentação, o evento ofereceu ao longo de dois dias uma série de palestras, discursos e debates com convidados nacionais e internacionais, levando a milhares de espectadores a oportunidade de falar sobre a educação a partir de uma multiplicidade de olhares. Para saber mais sobre esse Congresso exclusivo, clique aqui.

 

O conceito de formar para o futuro

Nascido na região do Vale do Rio Doce, no território do povo Krenak, Ailton tem se tornado uma das vozes mais ativas na comunicação e tradução da cosmovisão dos povos indígenas. Em seus livros e textos, ele coloca em pauta as relações da sociedade contemporânea com esses povos e com a natureza, e como isso afeta nosso conceito de futuro. Durante o 2º Congresso LIV Virtual, o escritor defendeu que a educação como a conhecemos tem focado majoritariamente em um futuro imaginário e ignorado o que pode ser realizado no presente: “O futuro não existe, ele é uma prospecção”, defendeu.

“Se nós buscarmos esse futuro somente como uma prospecção, como uma seta, sempre prospectando em direção reta, a gente estaria construindo aquilo que a querida Chimamanda [Ngozi Adichie] alerta: um mundo com uma narrativa só. […] O risco de projetar o futuro com uma narrativa só é muito grande, porque ele vai estar embalado nessa aceleração, e nós estamos vivendo uma experiência real de aceleração do tempo. As mudanças climáticas introduziram uma urgência climática também. É como se, ao mesmo tempo, a realidade do ecossistema, do vasto ecossistema do planeta terra, estivesse sofrendo uma aceleração e essa aceleração estivesse refletindo na gente, em nossos poros, no nosso estado emocional. Ela é real. Muitos cientistas já observaram que essa aceleração está mudando inclusive a maneira como as crianças estão experimentando a infância. Ao invés de experimentar como um lugar folgado, elas estão caindo nesse lugar como uma chapa quente, onde elas têm que responder perguntas do mundo, e isso é muita violência para aquele primeiro período da infância”.

Para Ailton Krenak, em vez de ofertar um futuro produzido por adultos, deveríamos recepcionar a inventividade da infância que faz parte da natureza das crianças. E destaca: “As crianças, em qualquer cultura do mundo, são portadoras de novidade. Ao invés de ser pensada como uma embalagem vazia que precisa ser preenchida, entupida de informação, nós deveríamos considerar que dali de dentro emerge uma criatividade e uma subjetividade capaz de enfrentar outros mundos, e seria muito mais interessante do que inventar futuros”.

 

A experiência humana na primeira infância

Defensor do contato das crianças com a natureza, o pensador falou também sobre sua infância e sobre a liberdade de poder crescer livre ao ponto de “se confundir com a natureza”. Para ele, essa “experiência implica sentir a vida nos outros seres, em árvores, numa montanha, num peixe, um pássaro, e implica que a presença deles não só acrescenta à paisagem que habito, mas modificam o mundo”. Segundo Krenak, essa potência de perceber-se pertencendo a um todo e podendo modificar o mundo poderia ser uma ideia de educação. Nesse sentido, explica, a liberdade da infância é confrontada pelo modelo de educação oferecida especialmente no sistema urbano ocidental:

“Nós começamos desde cedo a sugerir para as crianças que elas precisam de mérito e que precisam alcançar uma escala para ocupar lugares de vencedores. É claro que ninguém quer formar alunos para serem perdedores, todos querem ser ganhadores. E tem uma metáfora para isso, que é o pódio. O pódio costuma ter um primeiro lugar, o segundo e o terceiro também, mas o primeiro está em destaque e nesse lugar só cabe uma pessoa. E ele é uma mentira, porque não tem nenhum lugar do mundo em que só caiba uma pessoa”.

 

“O futuro é uma ilusão de ótica”

Ainda segundo Ailton Krenak, para que possamos promover uma experiência educativa que não tenha como objetivo formatar o aluno, mas sim oferecer espaço para a criação e a invenção, “vamos ter que fazer uma revolução nas práticas educativas que estão determinadas”, aponta, e destaca:

“Desde a modernidade, independentemente de sermos ocidentais ou orientais, fomos todos provocados a uma inserção no mundo que é de maneira competitiva. Essa competitividade que foi estimulada durante séculos acabou formando um mundo de pessoas que são jogadores, são dados. Se o futuro der certo, bingo! Mas o futuro não existe, existe o aqui e agora. Estamos vivendo projeções de futuros muito improváveis que venham a acontecer, mas preferindo o futuro ao presente. […] A fricção com a vida proporciona um campo de subjetividade que prepara a pessoa para qualquer tarefa na vida. A gente não precisa formatar alguém para ser alguma coisa, mas antes pensar na possibilidade de proporcionar experiências que formem pessoas capazes de realizar tudo o que é necessário”.  

Ao longo de sua apresentação, ele falou ainda sobre ancestralidade, meditação, a importância do respeito à natureza e como esses conceitos podem ajudar a enfrentar as crises que vivemos no mundo. Para saber mais sobre esse debate, assista à entrevista completa com Ailton Krenak clicando no botão de play no vídeo abaixo ou acesse o canal do LIV no YouTube.

Assine nossa news

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *