LIV e o projeto de Vida dos alunos

O que é o ‘Projeto de Vida’ do Novo Ensino Médio?

25 de março de 2022

As consultoras do LIV Maíra Santos Maia e Andressa Abraão Costa falam sobre o Projeto de Vida dentro do Novo Ensino Médio, que passa a vigorar este ano nas escolas.

***

O Projeto de Vida é um componente obrigatório da etapa do Ensino Médio. Ele convida a escola a proporcionar um espaço seguro para que os alunos desenhem seus objetivos atuais e futuros. Para isso, é importante que esse componente ofereça ferramentas para auxiliá-los em suas escolhas de forma ética, autônoma e responsável consigo e com o mundo. 

Projetar a vida vai muito além de traçar metas e cumprir tarefas, pois envolve sonhos, expectativas (próprias, familiares e do mundo), cobranças, oportunidades, reconhecimento de limites e potências, além de crítica e perseverança para realizar as escolhas.

Segundo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), esse trabalho deve ser feito de maneira cuidadosa, permitindo que os alunos desenvolvam um olhar integral sobre si, sobre sua trajetória e suas aspirações, e levando em consideração os múltiplos contextos sociais.

E para explicar um pouco mais sobre o Projeto de Vida e sobre como ele se integra com a educação socioemocional do programa, convidamos as consultoras pedagógicas Maíra Santos Maia e Andressa Abraão Costa, que gravaram uma entrevista em áudio e que você pode ouvir a seguir. Se preferir, você pode ler a transcrição da conversa na continuação do texto.

 

Projeto de Vida e o Novo Ensino Médio

 

  • O que é Projeto de Vida e qual a importância dele para os jovens do Ensino Médio?

Maíra Santos Maia – “O Projeto de Vida, conforme descrito na BNCC, é um componente obrigatório no currículo do Novo Ensino Médio. Ele tem por intuito proporcionar espaços que provoquem os alunos a pensar sobre a construção de sua identidade e que favoreçam ferramentas e instrumentos para auxiliá-los nas suas escolhas atuais e futuras.

O Projeto de Vida tem como grande importância um grande papel na valorização e no reconhecimento dos saberes que esse jovem já possui, entendendo que tudo o que eles aprenderam até hoje são ferramentas importantes para que eles possam planejar e desenhar seus próximos passos. E quando eu falo desses saberes, desses conhecimentos, não são só os conhecimentos adquiridos dentro de sala de aula, mas também os do dia a dia e os da sua própria vivência individual e social.

Além disso, também é muito importante a organização e gestão do seu tempo, da sua energia, dos seus desejos no aqui e no agora. Como estou planejando, programando, organizando o que eu tenho para fazer, pensando nas coisas que eu desejo, que eu quero.

Por último, e não menos importante, um planejamento mais consciente, ético, autônomo e responsável desses próximos passos da vida seja, num viés mais acadêmico, pessoal, profissional, convidando-os também a olhar quais desses projetos precisam ser cuidados a curto prazo, a médio prazo e a longo prazo”.

  • Esse trabalho da escola com um Projeto de Vida pode acontecer apenas no Ensino Médio? Como pode se dar a construção desse aspecto nas demais etapas da vida escolar?

Maíra Santos Maia – “Embora o Projeto de Vida seja um componente obrigatório do Ensino Médio, a preparação para esse momento deve se dar de forma transversal em todo o ciclo escolar. Acreditamos, portanto, que o olhar para o desenvolvimento das competências e ferramentas necessárias para o desenho de um Projeto de Vida precisa estar presente no dia a dia da escola.

Desde a Educação Infantil, quando a criança começa a identificar, formas, letras, números, seus sentimentos e a se projetar no outro e no grupo, passando pelos desafios e mudanças comuns no Ensino Fundamental, como os trabalhos em grupo, as apresentações em feiras, ou o aumento do número de matérias, diferentes professores, até chegar no Ensino Médio, onde os próprios estudantes começam a se perguntar de forma mais diretiva quais são seus caminhos e objetivos quando terminarem a Educação Básica.

Assim, como antes de aprender a multiplicar, nós aprendemos a somar, o desenvolvimento das competências necessárias durante o Projeto de Vida, como o autoconhecimento, o pensamento crítico, a cidadania, por exemplo, se dá de forma contínua e vai se concluir conforme os alunos vão crescendo.

Quando crianças, primeiro entendemos o que e como nos sentimos em determinadas situações. Depois, começamos a compreender com mais clareza as relações e o universo do outro e como ambos nos atravessam. Então, com um pouco mais de maturidade, observamos e englobamos na nossa leitura crítica outros fatores, como implicações geracionais, sociais e históricas, entre outras coisas. Por isso é interessante desenvolver de forma intencional e atenta às habilidades socioemocionais desde a primeira infância e acompanhá-los ao longo da vida”.

 

  • Como é pensado o Projeto de Vida do aluno na organização de aulas do programa LIV?

Andressa Abraão Costa – “O material LIV de Projeto de Vida oportuniza que os estudantes vivenciam experiências concretas de uma proposta pedagógica alinhada aos parâmetros da BNCC. 

Ao pensar na organização das aulas, temos algumas bússolas orientadoras. A primeira é o foco no desenvolvimento de competências socioemocionais para que os alunos reconheçam as suas potencialidades, sonhos, objetivos e que gostariam de construir seus caminhos enquanto estudantes e profissionais. Outro ponto importante é a formação para a autonomia e protagonismo. Assim os alunos aprendem a fazer escolhas atuais e futuras com responsabilidade, pensamento crítico e ética.

Não menos importante, disponibilizamos também as ferramentas e os instrumentos pedagógicos necessários para os alunos construírem seus projetos de vida de forma estruturada. A partir dos materiais e dinâmicas usados dentro e fora de sala de aula, além das produções audiovisuais exclusivas LIV. Todo esse repertório pedagógico baliza os três eixos norteadores do Projeto de Vida LIV: Como eu estou, O que me move e Para onde vou”.

  • Como esses três eixos norteadores do programa LIV dialogam com essa proposta?

Andressa Abraão Costa – “Primeiro, acho importante dizer que, em resumo, o Novo Ensino Médio pretende atender às necessidades da juventude do século 21 em sua inteireza. E o que isso quer dizer? Quer dizer que nós precisamos cuidar de oportunidades educativas contextualizadas e que promovam a integração das aprendizagens cognitivas, que são os conteúdos disciplinares, como o conhecemos, com as aprendizagens socioemocionais. 

E o componente Projeto de Vida é essa vivência intencional na escola. Ou seja, é uma proposta que desafia a ideia de currículo fragmentado entre cognitivo e socioemocional, para garantir a integração dessas aprendizagens. 

O Novo Ensino Médio traz com muita força a necessidade de uma educação efetivamente integral para os currículos e para os fazeres escolares, e os três eixos norteadores do programa LIV dialogam muito com a proposta. 

No primeiro ano, nós temos o eixo Como Eu Estou, em que os estudantes vão refletir sobre suas potencialidades, aspectos a desenvolver, relações familiares, relação com os amigos, o que acontece na escola e fora dela. Como é lidar com o medo do novo? Dar e receber críticas? Como as nossas habilidades podem impactar o mundo? Essas são algumas temáticas que vamos cuidar no primeiro ano. 

No segundo ano, O que me move, nós vamos conversar sobre o cuidado com as escolhas, escolhas atuais e as futuras. Como é aprender com os erros? Como o meio social influencia os meus comportamentos e as minhas escolhas? Qual é a importância da saúde mental? 

No terceiro ano, Para Onde Vou, que é o último ano do Ensino Médio, vamos focar em temas que dialogam com este momento da vida, por exemplo, a despedida da escola, profissão, carreira, cuidado pessoal, amigos, certezas e incertezas. Além disso, ao longo do Ensino Médio, nós disponibilizamos um material complementar, chamado Caminhos, que de forma prática e estruturada apresenta ferramentas e dinâmicas exclusivas sobre trajetória profissional e mundo do trabalho”.

Recomendações para a escola se preparar mais para o Projeto de Vida

Andressa Abraão Costa – “É um novo momento para a área de educação e para todos os profissionais que atuam na e para a escola. Eu acredito que, quanto mais embasamento teórico e informações consistentes, mais chances temos de práticas alinhadas e ações bem direcionadas. E isso envolve ter acesso a materiais que apoiem o trabalho docente, dos coordenadores e diretores.

Por isso, o LIV organizou um rico conteúdo sobre um Novo Ensino Médio, para colaborar com esse momento de implementação nas escolas. Uma sugestão que faço é garantir, se possível, um plano de trabalho que viabilize rodas de conversa e de estudo do material LIV, com foco de organização integrada do currículo. Quanto do que acontece nas aulas de LIV nutre as aulas nas demais disciplinas, por exemplo?

Essa é uma pergunta que pode ser um ponto de partida para as conversas entre as equipes pedagógicas da escola. Não deixem de acessar esse material de apoio sobre o Novo Ensino Médio, feito com muita dedicação e carinho do LIV para todos vocês.

Maíra Santos Maia – “Além dos pontos levantados pela minha colega Andressa, ressalto a importância de convidar os alunos e as famílias a participarem desse processo de mudança. É tudo muito novo para eles também. Fico pensando nos alunos que, até pouco tempo, podiam contar com os colegas que entraram no Ensino Médio primeiro ou com os familiares que já passaram por essa experiência, e agora está todo mundo vivendo algo novo de novo. 

Ouvir os temores, as dores, os desejos e expectativas de discentes e familiares pode inclusive ajudar a gestão a elaborar planos de ação mais concretos, que minimizem as dúvidas recorrentes e que fortaleçam os laços da comunidade escolar. Como centelha, deixo algumas perguntas: Como se a escola tem abordado e acolhida as dúvidas dos alunos? Há espaço para que eles apresentem e conversem sobre suas questões, não só as questões burocráticas, mas também como eles estão se sentindo nessa fase de mudanças?

Outro ponto importante: os alunos do Fundamental anos finais, especialmente do 9º ano. Eles são convidados para essas conversas? Caso a sua escola já possua o material do LIV para o 9º ano, vale olhar com carinho o nosso material complementar. Ele conta com encontros estruturados onde os estudantes podem dialogar sobre as dores e delícias do final do Fundamental Anos Finais e desse ingresso no Ensino Médio”.

***

Gostou deste conteúdo e quer saber mais? Para todos que desejam se aprofundar nas mudanças do Novo Ensino Médio, nós criamos um e-book especial do LIV para sua escola. Na publicação, além de conhecer mais do Projeto de Vida, você poderá saber sobre as mudanças nos componentes curriculares e como a educação socioemocional dialógica com tudo isso.

Clique aqui para baixar o “Guia LIV: Descomplicando o Novo Ensino Médio”!

***

Confira outras publicações gratuitas disponíveis para download:

***

O LIV – Laboratório Inteligência de Vida é o programa de educação socioemocional presente em escolas de todo o Brasil, criando espaços de fala e escuta para ampliar a compreensão de si, do outro e do mundo.

 

Assine nossa news

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *